Algo A Dizer
Algo a Dizer
 

Poema-silogismo

Por Celso Gomes

Estou publicando no sítio http://arrabaldes.com.br/poesia_1.html, uma série de poemas que denominei de poemas-silogismos. Veja um exemplo:

 

“Encontrei um amigo bêbado e choroso em Montmartre.

O que aconteceu? – perguntei.

Marie acabou comigo.

E eu pensava que todas as canções de amor eram hipérboles – ele respondeu.

 

Sobre toda ruína acaba nascendo grama, arbustos

– refleti e paguei-lhe mais uma taça de vinho.

 

Mais tarde, pensando sobre o encontro, preocupei-me, pois as ruínas, tomadas pela

natureza, imperceptivelmente, se transformam em paisagem.”

Celso Gomes é advogado e escritor
Envie seu comentário:
Nome:*
Email:**
Comentário
Imagem de verificação

*Campo obrigatório
**O e-mail não é obrigatório e não será exibido no comentário
Comentários
  Celso Gomes
11/09/2014

Esse poema foi escrito em homenagem ao meu amigo Kadu.
 
  Valéria S. Dantas Lopes
14/09/2014

O sofrimento desmorona uma vida.Que não seja pra sempre!! Os cacos se espalham distantes, enquanto a paisagem muda, as cores entristecem e nada faz sentido. No entanto, haverá dias seguintes, o tempo comandando, tomando a frente e um amigo pra pagar uma taça de vinho. Quando as ruínas se tornarem bela paisagem que seja o início de um novo amor. Lindo poema! Um abraço, Valéria
 
 

contato@algoadizer.com.br | Webmaster: Marcelo Nunes | Design - Pat Duarte